Novo Jaguar XJ deverá ser 100% eléctrico

O Jaguar XJ será reinventado como um carro eléctrico para sua próxima geração, que será lançada em 2019 após a apresentação no final de 2018, que deverá coincidir com o 50º aniversário do primeiro XJ.

O XJ é o modelo mais emblemático da Jaguar e desencadeou um debate dentro da empresa sobre se deveria continuar a existir, ou se, a existir, deveria tomar um rumo diferente.

A decisão tomada terá sido a de dar um novo rumo ao topo de gama da marca, virando-se para a tecnologia de ponta e electrificação.

Além de apontar para o sucesso que a Tesla goza com os seus modelos maiores, o novo XJ será lançado como uma alternativa de ponta às berlinas de luxo, como o BMW Série 7 e o Mercedes-Benz Classe S.

Transformar o XJ num veículo eléctrico é uma jogada arriscada, mas o modelo sempre foi inovador para a Jaguar. O XJ X350, lançado em 2003, foi o primeiro carro em alumínio da marca e o X351, introduzido em 2009 e ainda à venda, rompeu completamente os design que o XJ seguia desde o lançamento de 1968. Reinventando o modelo como um EV, argumenta Jaguar, é a melhor forma de o manter relevante num mercado que caminha a passos largos para a electrificação.

O XJ estará a ser desenvolvido ao lado de um novo modelo Range Rover de estrada, chamado “Road Rover” internamente. Não usará esse nome para produção, mas será um Range Rover devido ao enorme cachet da marca.

Apesar de ter uma relação estreita com um modelo da empresa irmã da Jaguar, o XJ manterá um elegante perfil de saloon, embora com uma mudança de um layout de quatro portas para cinco portas.

O trabalho de design no carro já foi terminado pelo chefe de design Ian Callum e a sua equipa. O design terá sido bem recebido dentro da empresa e garantiu a confiança de que este XJ reinventado será um verdadeiro porta-estandarte da empresa, inaugurando uma nova linguagem de design para a marca.

Callum disse à Autocar em Setembro que havia “consenso” dentro da empresa de que o XJ, um carro que ele considera muito pessoal para ele, deveria continuar a ser o topo-de-gama da Jaguar em detrimento de um SUV grande, como o especulado J-Pace.

Sem referir o XJ directamente, Callum acrescentou que a própria ideia do saloon precisava ser reinventada perante a electrificação, o sucesso dos SUV e a aceitação inesperada de hatchbacks nos EUA devido aos Tesla.

A Jaguar lançará seu primeiro carro eléctrico, o I-Pace (na foto), em Março. Este modelo terá uma significativa partilha de tecnologia com o XJ. O I-Pace ajudará a posicionar a Jaguar como fabricante de automóveis eléctricos, aos olhos do público, e a empresa estará interessada em manter essa imagem.

Para esse fim, a chegada do XJ eléctrico não poderia ter melhor timing. Se o I-Pace chegar aos concessionários no próximo verão como planeado, será o primeiro carro eléctrico de uma marca premium com uma grande autonomia à venda sem sem o símbolo da Tesla, e o XJ contribuirá para a variedade de carros eléctricos da Jaguar.

O XJ sempre teve sucesso no Reino Unido sem, no entanto, ser um desafio sério para o Classe S globalmente, mas a próxima geração terá a responsabilidade de fazer grandes avanços na China e nos EUA, particularmente na Califórnia. Isto porque a Jaguar sente uma oportunidade única de reinventar tanto a marca como a tecnologia que a sustenta, explorando o pequeno tamanho da empresa e design criativo e base tecnológica para roubar uma quota importante aos concorrentes de maior dimensão.

O novo XJ e o irmão Road Rover utilizarão uma nova plataforma em alumínio que não só irá apoiar os carros eléctricos, como também motores de combustão tradicionais para suportar mais modelos híbridos. O XJ não deverá seguir a rota híbrida, pelo menos inicialmente, para evitar diluir o impacto em torno da sua reinvenção.

A tecnologia eléctrica suportará motores duplos e tracção integral. O XJ será apoiado pela tecnologia do chassis necessária para criar uma unidade extremamente luxuosa e também desportiva, dado que a Jaguar pretende que o XJ continue a ser o modelo mais desportivo do segmento.

Para esse fim, são esperadas performances elevadas e vectorização de binário. Uma autonomia superior a 500km também é expectável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *